blogdomingoscosta.com.br

Nestlé abre suas portas para receber os pets de seus colaboradores

Aqueles funcionários que estão preocupados em voltar para o trabalho presencial e ter que deixar seus pets sozinhos em casa, não precisarão mais se preocupar, pelo menos, os colaboradores da Nestlé. Isto, pois os escritórios da empresa estão abertos para recepcionar os animais de estimação de seus colaboradores e com direito a crachá.

Veja também: NBA e Petlove anunciam linha de produtos para pets

“Nossa política pode ser de 60% de tempo no escritório e 40% em casa, mas não tem como explicar isso para o seu pet”, diz o vice-presidente de recursos humanos da Nestlé Brasil, Enrique Rueda.

Enrique diz que um ambiente de trabalho mais flexível oferece aos seus colaboradores um local além do lugar onde a pessoa exerce sua atividade.

O objetivo foi ampliar o programa Pets at Work, uma prática já adotada anteriormente na empresa, mas que acontecia apenas em datas excepcionais. Em 2020, esse evento aconteceu em seis datas e a empresa recebeu mais de 500 pets.

No período pré pandemia, o trabalho remoto era visto como um beneficio específico dentro das empresas, que abrangia um ou dois dias na semana. Nos dias de hoje, o trabalho remoto virou um modelo de trabalho consolidado.

Enrique Rueda acredita que os benefícios somados com o objetivo da empresa de nutrição e bem-estar contribui para que a empresa consiga reter os melhores talentos do mercado.

Na mesma direção que o home office foi integrado a uma nova modalidade consolidada de trabalho, benefícios mais flexíveis, como o pet day, deverão ganhar um respaldo mais nesse novo momento.

“A gente sabe hoje que os pets são parte da família. Trazê-los para dentro da empresa é uma continuidade das transformações. O bem-estar que o pet proporcionou para seu tutor em casa vai ter continuidade no retorno”, diz a gerente de informação veterinária da Nestlé Brasil, Renata Scaf Silveira.

Conforme os dados da pesquisa Radar Pet 2021, a percentagem de animais nos domicílios brasileiros teve um aumento de 30% no período pandêmico. Assim, os pets e tutores acabaram se acostumando a conviverem mais tempo juntos.

Renata destaca que os pets já tem sido utilizados em terapias e tratamento em hospitais. Porém, agora, os benefícios dessa relação homem e pet poderão ser estendidos para o ambiente de trabalho.

“Temos um estudo nosso do Pet Care Center, nos Estados Unidos, que mostra que acariciar um pet acalma os batimentos cardíacos. Ou seja, existe de fato um benefício físico além do emocional”.

Também existe mais outro benefício relevante: torna a execução do trabalho presencial mais atrativa. A volta ao escritório tem sido desafiadora. E na opinião de Rueda, a presença dos animais no trabalho contribui para que o gelo seja quebrado e estreite as relações entre as pessoas.