Blog Domingos Costa

Notícias e Variedades
Ensino híbrido é fundamental para o futuro da educação brasileira
Ensino híbrido

Imagem ilustrativa.| Foto: Shutterstock

Implementado em caráter emergencial, por causa da pandemia, o ensino remoto ajudou a educação básica a evoluir, tanto na capacitação dos professores quanto nas ferramentas tecnológicas usadas pelas escolas. Agora, com o retorno gradual das aulas presenciais em todo o país, a discussão por novas metodologias de ensino que personalizem a educação e trabalhem pelo desenvolvimento de cada aluno ganha um novo capítulo. Dentro desse contexto, é possível que o ensino híbrido fortaleça ainda mais a educação no país?

A
resposta é “sim”, porque a modalidade traz vantagens e
benefícios para o desenvolvimento dos alunos, tanto na capacitação
de conhecimento como na motivação escolar. Ela utiliza elementos
como a sala de aula invertida, que conta tanto com momentos de
aprendizagem remota e assíncrona quanto com encontros presenciais e
síncronos, priorizados na prática desse conhecimento por meio da
resolução de problemas.

De
acordo com estudo realizado pelo Insper em parceria com o Instituto
Unibanco, além de melhorar o engajamento, a educação híbrida pode
ajudar a reverter de 35% a 45% das perdas na aprendizagem causadas
durante a pandemia.

É importante ter em mente que nada substituirá o processo de ensino-aprendizado de forma presencial, mas pouco a pouco todo o setor educacional brasileiro começa a entender que existem abordagens e metodologias que são mais proveitosas no ensino remoto, e eram pouco exploradas antes da pandemia. Toda essa aprendizagem gerada pela digitalização emergencial da educação será fundamental para o aprimoramento e melhora do ensino como um todo no Brasil.

Neste momento de retomada da rotina escolar e aulas presenciais, a educação híbrida permite também uma nova abordagem, mais efetiva para evitar grandes aglomerações de alunos, trazendo uma maior flexibilidade entre presencial e remoto.

Outra vantagem é o fato de o ensino híbrido ser democrático. Instituições de ensino com poucos recursos e estrutura, como na rede pública, podem se beneficiar dos ganhos que a modalidade traz. Isso porque a modalidade representa mais do que apenas o uso de ferramentas tecnológicas, mas também uma nova forma de pensar sobre o ensino, no qual o aluno é a peça central do tabuleiro. Por isso, os educadores devem entender a sua realidade e tomar ações para que os estudantes alcancem um processo de aprendizagem mais adequado à sua realidade.

Veja Também:

Embora ainda haja um grande caminho a percorrer, a educação brasileira já começa a dar os primeiros passos rumo à revolução do setor, ao introduzir a educação híbrida no modelo de aprendizagem das escolas. Desde gestores educacionais, professores, pais e, principalmente, alunos, todos serão positivamente impactados pelos benefícios da modalidade. Seja para maior controle da rotina de estudos e pesquisas dos alunos, ou para gerar aumento de interatividade com o professor no ambiente físico, sua introdução no dia a dia das instituições é a resposta positiva para a renovação do modelo tradicional de ensino-aprendizagem e a criação de formatos que afloram o desenvolvimento dos estudantes.

Raphael Coelho, professor de Matemática e Física, é CEO e fundador da plataforma de aprendizagem TutorMundi.